Moro divulgou depoimentos de Palocci para fazer política

Novas conversas divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo mostram parcialidade do ex-juiz que depois se tornaria ministro

As novas conversas divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo, em parceria com The Intercept Brasil, mostram que o então juiz federal de primeira instância Sergio Moro tomava decisões políticas. Ele divulgou parte da delação do ex-ministro Antonio Palocci a seis dias do primeiro turno da eleição presidencial do ano passado. Segundo a reportagem, Moro tinha dúvidas sobre as denúncias apresentadas por Palocci, mas achava sua colaboração relevante mesmo assim. Para o agora ministro de Bolsonaro, a delação representaria a quebra dos vínculos que uniam os petistas desde o início das investigações.

“Russo comentou que embora seja difícil provar ele é o único que quebrou a omerta petista”, disse o procurador Paulo Roberto Galvão a seus colegas num grupo de mensagens do aplicativo Telegram, em 25 de setembro do ano passado, tratando Moro pelo apelido adotado pelos procuradores e associando os petistas à omertà, o código de honra dos mafiosos italianos.

Com a história nas mãos, a imprensa fez sua parte. A Folha lembra que, naquele 1º de outubro, uma segunda-feira, o Jornal Nacional da TV Globo dedicou nove minutos de cobertura ao assunto, criminalizando mais uma vez Lula, o PT e o ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, que então coordenava a campanha do petista Fernando Haddad à presidência.

No dia seguinte, a delação estava estampada nas manchetes nos maiores jornais impressos do país, entre eles a própria Folha. O episódio também foi amplamente explorado contra Haddad nos últimos programas eleitorais de seus adversários.

Bolsonaro venceria as eleições, no segundo turno, e um de seus primeiros atos foi convidar Moro para ser Ministro da Justiça. Duas semanas depois, o TRF-4 soltou Palocci.

Com o Supremo, com tudo

No despacho em que anexa a delação de Palocci ao processo da Odebrecht, Moro argumenta que tal medida era necessária para que os envolvidos pudessem se defender. Porém, no mesmo documento ele afirma que, na hora da sentença, iria considera apenas um depoimento anterior de Palocci, prestado em 2017 na presença do juiz, do Ministério Público e de seus advogados.

A ressalva de moro remete ao centro de outra grave questão envolvendo a delação de Palocci: ela não foi feita ao MPF, como manda a lei, mas à Polícia Federal, sem a presença dos procuradores. Os advogados do ex-ministro teriam recorrido à PF porque não conseguiam chegar a um acordo com a Procuradoria-Geral da República e a Lava Jato, que consideravam que suas denúncias nada acrescentavam.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram