Bradesco lucra mas mantém cortes de emprego

No primeiro trimestre de 2016, o banco Bradesco teve lucro líquido ajustado de R$ 4,113 bilhões, equivalente a uma redução de 3,8% em relação ao mesmo período de 2015. Mesmo fechando o início do ano com lucro, o banco manteve sua política de corte de postos de trabalho. Em apenas um ano, de março de 2015 a março de 2016, foram 3.581 empregos a menos no segundo maior banco privado do país. Somente de dezembro de 2015 a março deste ano, foram extintas 1.466 vagas de trabalho.

Também houve redução no número de agências. São 152 unidades a menos em março de 2016, na comparação com março de 2015.

De acordo com o coordenador do COE do Bradesco, Gheorge Vitti, o banco deve cumprir com sua responsabilidade social, que é a de contratar e não demitir. “O lucro do Bradesco é suficiente para que a instituição faça contratações necessárias, de forma que o cliente tenha um melhor atendimento e os bancários não sofram com a sobrecarga de trabalho”, destacou o dirigente.   

Segundo Gheorge esta prática dos bancos de fazer mais com menos demonstra o descompromisso do setor mais lucrativo da economia brasileira. “É o segmento de serviços que mais demitiu do que contratou em todo o país. E nós sabemos que é possível fazer mais com mais”, contestou.  

Despesas de pessoal

Os cortes se justificam menos ainda quando se leva em conta que apenas com a receita de prestação de serviços e tarifas o banco cobre 137,1% de suas despesas de pessoal. Essa relação é 1,1 p.p. maior que a do primeiro trimestre de 2015, quando era de 136%.

Previsão para devedores

A queda do lucro foi atribuída pelo banco em boa parte ao forte aumento, de 53,6% em um ano, das despesas com provisão para devedores duvidosos. O crescimento não foi proporcional ao índice de inadimplência superior a 90 dias, que encerrou março em 4,2%, apenas 0,6 ponto percentual acima dos 3,6% calculado em março de 2015.

Crédito

A carteira de crédito expandida, em março de 2016, atingiu R$ 463,208 bilhões, mantendo-se praticamente estável em relação ao saldo de março de 2015. O crédito às micro, pequenas e médias empresas apresentou retração de 10,2%, enquanto que as carteiras de grandes empresas (favorecida pela valorização cambial) e pessoa física expandiram 2,9% e 4%, respectivamente, no período.

Bancários protestam contra onda de demissões

O movimento sindical dos bancários de várias regiões promoveu manifestações contra as demissões no Bradesco. No ABC Paulista, o protesto ocorreu na manhã de terça-feira (3), na regional do banco em Santo André, no centro da cidade.

                                     

A cobrança por manutenção do emprego mobilizou bancários e clientes na Bahia, nesta quarta-feira (4), onde os diretores do Sindicato dos Bancários da Bahia realizaram paralisação até 12h em três agências do bairro do Comércio, em Salvador.

                                    

A mobilização também contou com o Sindicato dos Bancários de Campo Grande MS e Região, que realizaram atividades, na última sexta-feira (29), nas principais agências do Bradesco, no centro administrativo de Campo Grande.

                                   

O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro também protestou contra a extinção de muitos postos de trabalho, nesta segunda-feira (2), com paralização em agências do Bradesco na região central.

                                   

 

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram