1% mais rico de São Paulo abocanha 20% da renda da cidade

Folha de S. Paulo
Vanessa Correa

As pessoas ricas estão cada vez mais ricas em São Paulo. Se o seleto grupo do 1% mais endinheirado da população já embolsava R$ 13 em cada R$ 100 ganhos na cidade em 2000, dez anos depois sua renda deu um salto: passou a abocanhar R$ 20 em cada R$ 100 do montante arrecadado -vindo de salários, aluguéis e investimentos.
Os dados fazem parte de um levantamento inédito da prefeitura que compara os dois últimos Censos do IBGE (2000 e 2010).

No mesmo período, outras camadas da população, como os 50% de menor renda, não experimentaram prosperidade parecida. Embora estejam ganhando mais hoje, a participação deles no “ordenado paulistano” ficou praticamente estagnada, passando de R$ 11,65 para R$ 10,57 em cada R$ 100.

Para fazer parte do 1% mais rico, é preciso ter uma renda individual de ao menos R$ 15 mil. Essa fatia acomoda pouco mais de 100 mil pessoas, entre empresários, altos executivos, profissionais liberais e gestores do próprio patrimônio. A população atual de São Paulo é de 11,8 milhões.

O descolamento do super-ricos e o achatamento da classe média são reflexos de uma São Paulo mudada, que se transformou em metrópole de serviços, importante centro financeiro e sede de grandes multinacionais, pouco parecida com a cidade industrial de algumas décadas atrás.

A mudança no perfil dos empregos, com o surgimento de superexecutivos e novos empresários da indústria criativa, ajuda a explicar as mudanças no topo. Já a perda de postos na indústria, substituída pela multiplicação das ocupações de baixa remuneração em serviços terceirizados, dá uma ideia de qual é a nova situação na base.

Está em curso, também, uma migração seletiva: enquanto profissionais ultraqualificados vêm para São Paulo em busca de melhores remunerações e opções de lazer, pessoas de baixa renda fogem do custo de vida elevado. Essa migração completa o quadro de alterações por que a cidade passou e vem passando, segundo os especialistas ouvidos pela sãopaulo.

O geógrafo Tomás Wissenbach, responsável pelo levantamento desses dados na prefeitura, credita a concentração de renda à modificação operada nos empregos da cidade.

“Desde os anos 1970, São Paulo vem perdendo suas indústrias e com elas os empregos que pagavam bons salários a pessoas com escolaridade média”, afirma Wissenbach, que é diretor do Deinfo (departamento de informações), ligado à secretaria de Desenvolvimento Urbano.

Por outro lado, diz Wissenbach, hoje a economia paulistana está concentrada nos setores de serviços, que produzem, em uma ponta, superempregos para executivos e consultores e, na outra, ocupações de baixa remuneração em funções terceirizadas como limpeza e telemarketing.

Nos últimos dez anos, a atenção das multinacionais se voltou para os países em desenvolvimento como o Brasil, e muitas dessas empresas abriram filiais na cidade de São Paulo, afirma Rodrigo Soares, diretor da Hays, uma consultoria especializada em recrutamento de altos executivos.

Como a legislação trabalhista não favorece a vinda de profissionais estrangeiros, os executivos brasileiros acumularam funções e passaram a ganhar bem mais. “Essa versatilidade levou-os a ter uma compensação financeira.”

Assim, diretores-presidentes que em 2005 recebiam salários de até
R$ 25 mil por mês na cidade de São Paulo, em 2010 poderiam chegar a R$ 70 mil, segundo o Datafolha. Hoje, essas remunerações passam dos R$ 90 mil sem falar nos bônus e benefícios.

Mas há outros fatores operando o milagre da multiplicação das rendas altíssimas, avalia o professor de economia Otto Nogami, do Insper (instituto de ensino).

“Empresas que oferecem novos serviços ligados ao mundo da tecnologia e da comunicação estão crescendo rapidamente.”

As novas empresas se expandem, e, junto com elas, a renda de jovens empresários como Guga Guizeline, 32, que organiza eventos para “aproximar marcas de pessoas”. Ele faz festas promovendo de “lançamento de prédio até marca de camisinha”.

Guga vem de uma família de nível “superbom”, como ele diz. Seu pai sempre foi funcionário do setor financeiro, área em que ele próprio tentou a sorte. Há seis anos, porém, depois de trabalhar com marketing e investimentos, começou a fazer eventos corporativos.

O urbanista Kazuo Nakano vê mais uma explicação para o aumento da renda dos mais ricos: São Paulo “passa por uma virada demográfica”. Pessoas ultraqualificadas estão vindo de outros lugares para cá, enquanto a população mais pobre migra para fora da cidade em direção à região metropolitana, devido ao aluguel e o custo de vida altos.

Nogami, do Insper, faz a mesma análise: no longo prazo, a tendência é que indivíduos de renda maior, como empresários e executivos de alto escalão, procurem locais com melhor infraestrutura, com mais opções de lazer. “São Paulo continua representando o sonho de consumo para essas pessoas, apesar da insegurança”.

A questão da desigualdade, gerada por um modelo econômico em que a renda dos mais ricos cresce mais rápido do que a atividade econômica, foi realçada com a publicação, em 2013, de “O Capital no Século 21”, do francês Tomas Piketty.

O livro, que defende a taxação de grandes riquezas, bateu recorde na lista dos mais vendidos do site Amazon e suscitou um debate acalorado em milhares de artigos de jornais e blogs do mundo todo.

Por aqui, o economista e ex-presidente do Ipea Márcio Pochmann defende a tese de que está em curso uma “polarização da sociedade” brasileira, em que os muito ricos e os muito pobres melhoram de vida, mas a classe média fica olhando a banda passar.

Esse cenário tende a ser mais acentuado em lugares onde a economia se baseia no setor de serviços, especialmente os financeiros, como São Paulo, diz o especialista. Por isso, afirma, apesar de a desigualdade ter se estabilizado na cidade, “existe uma corrosão da renda da classe média, que fica numa camada entre os 40% mais pobres e os 20% mais ricos”.

“O que nós vemos em São Paulo é o que vem acontecendo no mundo inteiro capitalista, mais fortemente nos EUA, e em menor grau na Europa”, diz o economista José Roberto Mendonça de Barros, que foi secretário de política econômica da Fazenda no governo Fernando Henrique (1995-2002).

Segundo Barros, os muito ricos são compostos por dois grupos. Em um, a receita vem de rendas, como de aluguéis, aplicações financeiras e juros. O outro é formado por quem ocupa papéis estratégicos nas empresas e detém altos salários. “É uma característica do capitalismo contemporâneo, neoliberal: os altos capitalistas rentistas e os altos profissionais.”

Por outro lado, as políticas distributivas que vêm sendo aplicadas pelo governo do PT, como os aumentos salariais e bolsas diversas, afetaram negativamente a renda de todos os ricos, menos dos muito ricos, diz Barros.”Por isso se vê uma radicalização violenta da base social e uma reação das classes altas contra a preferência pelos pobres que o PT adotou.”

“Eles [os muito ricos] vivem a cidade, frequentam exposições, concertos e eventos na casa de outros milionários, mas estão cercados de seguranças”, diz Stella Susskind, presidente da Shopper Experience, uma consultoria de marketing para marcas de luxo. “Não é por culpa deles. Vivemos uma guerra civil neste país”.

Quando o assunto é consumo, Susskind explica o mercado com uma anedota: “Tenho uma cliente que diz: ‘com meus amigos milionários, as viagens são voltadas para as compras; com os bilionários, as compras ficam de lado e geralmente vamos de jato particular; com meus amigos biliardários, comprar, só se for obra de arte.”

Milionários, bilionários, ou biliardários, não importa. Eles moram e frequentam os mesmos lugares. Restaurantes como Spot e Bilboquet, destinos turísticos como Grécia e Ibiza e os shoppings Cidade Jardim, JK e Iguatemi, todos no sudoeste da cidade, onde ficam bairros como Jardins, Pinheiros, Itaim e Moema.

E como um rico se diferencia de outro rico? Exclusividade é a palavra. “Se uma amiga tem um relógio Breitling, a outra vai querer um diferente, com fundo rosa, por exemplo. Há uma aspiração de demonstrar a personalidade”, diz a consultora.

Quando as “fortunas são antigas”, no entanto, as pessoas são mais discretas. “A competição é para ver quem tem a obra de tal artista, para mostrar em qual universidade do exterior os filhos vão estudar.”

A última tendência em férias de luxo, segundo Stella, é mandar as crianças esquiarem na montanha Snow Mass, em Aspen, nos EUA.
Para os adultos, a pedida deste ano é a Grécia, além de ilhas exclusivas na Flórida, onde há condomínios “caríssimos”, e destinos europeus em geral. Para o pessoal da velha guarda, o “objeto de desejo” continua sendo a França, mais especificamente Cote d’Azur e Saint Tropez.

Há também os ricos com estilos mais exuberantes, como o de Val Marchiori, que figurou no reality show “Mulheres Ricas”. Um tipo “total emergente, novo rico que se afirma pelo consumo”, explica Susskind.

Entre os homens, os sinais de ostentação que dão pinta de riqueza nova podem vir na forma de aceleradas com carrões na porta dos restaurantes da rua Amauri, no Itaim Bibi -ou no uso de camisas polo “com um cavalo enorme” bordado no peito, diz o empresário R., que não quis se identificar.

Mas ostentação pouca é bobagem para os ricos de berço. Quando a coisa fica séria no Instagram, dá-lhe foto de pratos com trufas gigantes (ou lagostas enormes), de preferência em restaurantes como a rede Nobu, conta R. Sem falar nos selfies em academias de ginástica badaladas. “Está rolando uma onda de fitness de uns dois anos para cá que é uma loucura.”

O sonho de consumo de R. hoje é uma BMW da série três, mas “o legal mesmo é não gastar com porcaria, para viver bem e com pouca preocupação”.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram