1535 resultados Ver todos os resultados
1535 resultados Ver todos

PL do estupro: após conseguir desacelerar tramitação, mulheres protestam agora pelo arquivamento

Imagem ilustrativa

Ato realizado na capital paulista, nesta quinta (27), segue agenda que une movimentos sociais feministas, de todo o país, em torno da defesa da dignidade humana de meninas e mulheres

Movimentos sociais feministas realizam, nesta quinta-feira (27), na capital de São Paulo, protestos pedindo o arquivamento do Projeto de Lei nº 1904, que equipara o aborto ao homicídio, até mesmo nos casos permitidos hoje em lei, ou seja, quando a gravidez é fruto de violência (estupro), coloca em risco a vida da mãe ou quando o feto é anencefálico, razão pela qual a proposta, do deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), ganhou o título de "PL do estupro".

A concentração está sendo organizada pelo bloco da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do estado, e se dará a partir das 17h30, na Av. Paulista, com a orientação para que as manifestantes venham de preto e com uma vela.

A secretária da Mulher da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Fernanda Lopes, que apoia a iniciativa, explica que a manifestação faz parte de agenda nacional, organizada em todo o país por diversas organizações, e que conseguiu desacelerar a votação do projeto de lei na Câmara dos Deputados.

“O aborto é um dos principais causadores de mortes maternas no Brasil, como mostram pesquisas realizadas com base em dados oficiais. Portanto, é uma questão de saúde pública”, destacou a dirigente. “Os autores e defensores dessa lei, além de desconsiderar o fator saúde pública, violentam a dignidade humana de meninas e mulheres”, completou, ao destacar que, ao prever pena de 6 a 20 anos para o aborto provocado, por qualquer motivo, acima de 22 semanas, o PL do Estupro equipara a interrupção de gravidez ao crime de homicídio, além de colocá-lo acima do crime de estupro, com pena hoje de 10 anos. 

Protestos desaceleraram votação

Os protestos começaram a ser mobilizados logo após a Câmara dos Deputados aprovar, no dia 12 de junho, a urgência na votação do PL 1904, podendo ser decidido diretamente no plenário, sem discussão nas comissões.

"Essa manobra, além de trazer sérios prejuízos às mulheres e meninas, revela interesses totalmente políticos, da bancada evangélica, na busca para impulsionar a imagem junto ao eleitorado, com base em discurso puramente conservador e religioso, e não técnico e de saúde pública. Além disso, o resgate da pauta antiaborto é também uma forma de desgastar o governo e desviar da população outros temas importantes que estão em debate no Congresso", avalia a secretária de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Elaine Cutis. "Por isso que, apesar de estarmos em meio à campanha nacional dos bancários, para a renovação do acordo coletivo, nós, mulheres da categoria estamos atuando também neste debate e participando das manifestações", completou.

Como feito dos protestos, apesar de ter participado da manobra que levou o texto para o regime de urgência, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), se viu pressionado e anunciou a criação de uma comissão para debater o PL do Estupro, para o segundo semestre deste ano.

Na última sexta-feira (21), o parlamentar recebeu da Comissão Arns um ofício solicitando o arquivamento do PL, que a entidade avalia como “um retrocesso inaceitável para a sociedade brasileira, ao mesmo tempo em que joga luz sobre a responsabilidade do Estado no cuidado das vítimas da violência sexual e de gênero, especialmente nas camadas carentes da população”.

Proteger abusadores, revitimizar crianças e mulheres

Segundo levantamento do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, somente em 2022, cerca de 75 mil pessoas foram violentadas no Brasil, sendo quase 90% do sexo feminino e 60% crianças menores de 13 anos. Com isso, os movimentos sociais feministas apontam que os parlamentares que defendem o PL 1904 estão protegendo violadores e pedófilos em detrimento do cuidado às vítimas.

Notícias Similares

Imagem ilustrativa

Governo federal realiza 5ª Conferência Nacional da Pessoa com Deficiência

Delegações terão o desafio de decidir prioridades para elaboração de políticas públicas; classe trabalhadora jogará peso na retomada de processos democráticos de representação que foram extintos

Imagem ilustrativa

Jornada e teletrabalho serão pauta de negociação com a Caixa

Semana de quatro dias, registro de ponto, pagamento de horas-extras e adicionais de remuneração serão alguns dos temas tratados; empregados cobram manutenção dos direitos para quem cumpre sua função em teletrabalho

Imagem ilustrativa

Dirigentes das Américas discutem grandes desafios ao movimento sindical

Encontro do Comitê Executivo da UNI Américas, na capital do Uruguai, abordou transição justa para os jovens, diante das mudanças no mercado de trabalho e ambientais, imigração, igualdade de gênero e negociação coletiva

Imagem ilustrativa

Emprego e carreira serão temas da negociação com a Caixa

Movimento sindical reivindica mais contratações, fim dos descomissionamentos arbitrários e volta das designações efetivas de função; trabalhadores também pedem valorização da importância da Caixa para a sociedade

Imagem ilustrativa

Presidenta da Contraf-CUT participou dos Seminários Avançados do Cris/Fiocruz

Juvandia abordou os impactos dos avanços tecnológicos como a Inteligência Artificial sobre os trabalhadores

Imagem ilustrativa

Mulheres ganham menos em 82% das principais áreas de atuação no país

Segundo dados do IBGE, mulheres têm remuneração, em média, 17% menor que a dos homens; até mesmo em áreas onde elas, tradicionalmente, ocupam mais postos, a desigualdade salarial entre gêneros é presente

Imagem ilustrativa

Ex-diretor do FMI critica tentativa de transformar Banco Central em Empresa Pública de Direito Privado

Para economista, PEC é inconstitucional e pode atrelar, ainda mais, políticas econômicas aos interesses do mercado financeiro

Imagem ilustrativa

Copom boicota a economia com Selic em 10,5%, alertam trabalhadores

Manter o Brasil com a Selic extremamente alta e proibitiva ao crescimento econômico apenas reafirma que o órgão é suscetível às pressões do mercado financeiro e, assim, desvia das responsabilidades para com o país

Imagem ilustrativa

Bancários iniciam campanha de negociação salarial

Atos em todo o país mostram que 'perrengues' da categoria unificam luta por aumento real e direitos; em São Paulo, também houve manifestação contra juros altos

Imagem ilustrativa

Internacional Progressista realiza série de encontros em São Paulo

Começa nesta terça (19), na Unicamp, evento “Poder e Prosperidade num Mundo Multipolar”

Não há mais itens para carregar no momento