Manifestantes ocupam praça próxima à casa de Temer em São Paulo

Após saírem em passeata do Largo da Batata, zona oeste paulistana, manifestantes contrários ao governo interino cercaram a praça onde fica a casa do presidente em exercício Michel Temer e, à noite, decidiram acampar no local.

Organizada pela frente Povo Sem Medo, que reúne diversos movimentos sociais, a manifestação, iniciada por volta das 14h de deste domingo (22), seguiu em caminhada em direção a residência de Temer. A passeata deixou a concentração pouco antes das 16h.

A casa de Temer, no chamado Alto de Pinheiros, estava isolada por soldados. O interino mandou fechar todo o perímetro de sua casa. A PM montou barreiras de bloqueio e aumentou o contingente nos acessos à rua de Temer. Os moradores locais só puderam passar depois que apresentassem documentos. A área foi declarada "de segurança nacional" polícia.

O vice não estava em casa quando a manifestação chegou ao limite determinado pela força policial. Temer já tinha retornado a Brasília quando a caminhada partiu do Largo da Batata, a algumas centenas de metros dali.

O presidente interino embarcou por volta das 14h50. Reportagem da Agência Brasil não conseguiu confirmação com a assessoria dele qual teria sido o motivo do retorno a Brasília no meio da tarde, diferentemente do que a agenda previa, de retorno ao fim do dia.

Um grupo de manifestantes tentou negociar, sem sucesso, com o comando do policiamento no local para se aproximar da casa do presidente interino. Segundo a assessoria de comunicação da PM, a decisão de interditar os acessos foi tomada em conjunto pela polícia, pelas Forças Armadas e pelo comando da segurança da Presidência da República.

Os manifestantes decidiram, então, cercar os acessos à praça. "É ilegal, o nosso direito de livre manifestação está sendo cerceado, independente de quem veio a ordem. Nós ficaremos aqui, a rua dele está cercada, até que haja posicionamentos em relação a tudo que nós viemos trazer aqui hoje", disse o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, em frente ao cordão policial.

Um dos motivos do protesto, disse Boulos, foi a decisão do governo interino de suspender novas contratações do programa Minha Casa, Minha Vida.

"Aqui todos estão indignados com esse golpe que ocorreu no país e, por isso, gritam 'fora Temer!'. Mas aqui tem muita gente que veio de longe, do extremo sul, leste [de São Paulo], de ocupações. Vieram porque há poucos dias tiveram a notícia de que esse governo ilegítimo cortou as suas moradias que já estavam contratadas", destacou Boulos, do carro de som.

Mais protestos

Outro protesto contra Temer aconteceu no centro do Rio de Janeiro na manhã deste domingo. O ato foi marcado para hoje porque o presidente interino participaria da inauguração do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na capital, que foi adiada para o dia 5 de junho. A concentração foi às 10h na Candelária. Manifestantes usam camisa com a frase: 'Lutar sempre, Temer jamais'.

Em todo o País, o governo provisório tem sido alvo de protestos, que focaram, recentemente, na crítica contra o fim do Ministério da Cultura. Diante de dezenas de ocupações em diversas cidades, o governo recuou e recriou o ministério – que funcionaria com status de Secretaria, subordinada ao ministério da Educação.

Ontem, os shows da Virada Cultural, na capital paulista, como os de Ney Matogrosso, Elza Soares e Alcione, foram marcados por gritos de "Fora, Temer" e cartazes de "Temer jamais". Diversas outras apresentações do evento tiveram o mesmo clima político, tanto no palco quanto por parte do público.

Em 11 dias de interinidade, Michel Temer ainda não teve nenhuma agenda pública.

 

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram