1535 resultados Ver todos os resultados
1535 resultados Ver todos

Copom boicota a economia com Selic em 10,5%, alertam trabalhadores

Imagem ilustrativa

Manter o Brasil com a Selic extremamente alta e proibitiva ao crescimento econômico apenas reafirma que o órgão é suscetível às pressões do mercado financeiro e, assim, desvia das responsabilidades para com o país

Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), anunciou nesta quarta-feira (19) que mantém a taxa básica de juros da economia brasileira (Selic) em 10,5% ao ano. A justificativa da autoridade monetária para a decisão é a expectativa futura de suposta tendência de aumento da inflação e de desvalorização do Real.

O economista da subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Gustavo Cavarzan, explica que a Selic tem influência importante no desempenho econômico do país.

"Juros altos prejudicam o governo, com aumento de custos no pagamento dos títulos da dívida pública, reduzindo recursos para outras áreas importantes, como saúde e infraestrutura. A Selic também influencia nos juros de todo o sistema financeiro, com isso, o crédito fica mais caro para famílias e empresas, aumentando o endividamento e, ao mesmo tempo, impedindo investimentos na economia real e, portanto, na criação de mais empregos", resumiu.

A presidenta da Contraf-CUT e vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores, Juvandia Moreira, destacou que o Brasil segue com a inflação sob controle e, portanto, as justificativas do Copom são falhas e prejudicam diretamente uma das obrigações do BC, que é colaborar com aumento do nível de empregos no país.

“Usar o argumento de se preparar para expectativas futuras de inflação maior é uma falácia. A manutenção da Selic alta é proibitiva ao crescimento econômico e apenas reafirma que o órgão é suscetível às pressões do mercado financeiro e, assim, desvia das responsabilidades para com o país", pontuou. “Os principais beneficiados com a Selic elevada são os detentores dos títulos da dívida pública, que atualmente são as instituições financeiras”, completou.

A última vez que o Copom reduziu a Selic foi na reunião imediatamente anterior a desta semana, realizada em maio, quando o índice caiu 0,25 ponto percentual. Naquele encontro, a entidade monetária iniciou a alteração do ciclo de cortes de 0,50%, realizada desde agosto de 2023, por conta da pressão de trabalhadores, setores produtivos e do Governo Federal.

Uma arma política?

No início da semana, em entrevista à rádio CBN, o presidente Lula fez duras críticas ao Banco Central. “Nós só temos uma coisa desajustada no Brasil neste instante. É o comportamento do Banco Central", pontuou. "Um presidente do Banco Central que não tem nenhuma capacidade de autonomia, que tem lado político e que, na minha opinião, trabalha muito mais para prejudicar o país do que pra ajudar o país. Porque não tem explicação a taxa de juros do jeito que está”, completou.

O mandato do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, termina em dezembro de 2024. A expectativa, portanto, é que, a partir de 2025, o nome que será indicado por Lula para assumir o cargo, esteja alinhado com o plano de governo petista, de retomada de investimentos em infraestrutura e na indústria nacional, e com o pleno emprego.

"O Copom se tornou um verdadeiro instrumento político e com forte capacidade de travar a economia, como estamos vendo na gestão Campos Neto, que tem realizado diversas movimentações político-partidárias, como ir a um almoço oferecido para ele, pelo governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), recentemente", destacou o secretário de Assuntos Socioeconômicos da Contraf-CUT, Walcir Previtale.

Por causa da aproximação entre Campos Neto e políticos, a bancada do PT na Câmara dos Deputados protocolou uma ação popular, nesta quarta-feira (19), contra o presidente do BC.

“Essa ostensiva motivação político-partidária, amplamente noticiada na mídia, evidencia um potencial envolvimento com políticas privadas de interesse de um estreito grupo econômico em detrimento ao interesse público, o que pode afetar diretamente a imparcialidade do Banco Central, em uma clara atitude que contraria os princípios norteadores da administração pública previstos na Constituição Federal”, disse a bancada do PT no documento.

Leia também:

Contraf-CUT cobra do Banco Central metas de pleno emprego

Juros altos, bom pra quem? Economistas explicam como Selic elevada pode travar desenvolvimento no país

Notícias Similares

Imagem ilustrativa

Governo federal realiza 5ª Conferência Nacional da Pessoa com Deficiência

Delegações terão o desafio de decidir prioridades para elaboração de políticas públicas; classe trabalhadora jogará peso na retomada de processos democráticos de representação que foram extintos

Imagem ilustrativa

Jornada e teletrabalho serão pauta de negociação com a Caixa

Semana de quatro dias, registro de ponto, pagamento de horas-extras e adicionais de remuneração serão alguns dos temas tratados; empregados cobram manutenção dos direitos para quem cumpre sua função em teletrabalho

Imagem ilustrativa

Dirigentes das Américas discutem grandes desafios ao movimento sindical

Encontro do Comitê Executivo da UNI Américas, na capital do Uruguai, abordou transição justa para os jovens, diante das mudanças no mercado de trabalho e ambientais, imigração, igualdade de gênero e negociação coletiva

Imagem ilustrativa

Emprego e carreira serão temas da negociação com a Caixa

Movimento sindical reivindica mais contratações, fim dos descomissionamentos arbitrários e volta das designações efetivas de função; trabalhadores também pedem valorização da importância da Caixa para a sociedade

Imagem ilustrativa

Presidenta da Contraf-CUT participou dos Seminários Avançados do Cris/Fiocruz

Juvandia abordou os impactos dos avanços tecnológicos como a Inteligência Artificial sobre os trabalhadores

Imagem ilustrativa

PL do estupro: após conseguir desacelerar tramitação, mulheres protestam agora pelo arquivamento

Ato realizado na capital paulista, nesta quinta (27), segue agenda que une movimentos sociais feministas, de todo o país, em torno da defesa da dignidade humana de meninas e mulheres

Imagem ilustrativa

Ex-diretor do FMI critica tentativa de transformar Banco Central em Empresa Pública de Direito Privado

Para economista, PEC é inconstitucional e pode atrelar, ainda mais, políticas econômicas aos interesses do mercado financeiro

Imagem ilustrativa

Bancários iniciam campanha de negociação salarial

Atos em todo o país mostram que 'perrengues' da categoria unificam luta por aumento real e direitos; em São Paulo, também houve manifestação contra juros altos

Imagem ilustrativa

Internacional Progressista realiza série de encontros em São Paulo

Começa nesta terça (19), na Unicamp, evento “Poder e Prosperidade num Mundo Multipolar”

Imagem ilustrativa

Em discurso na OIT, Lula cobra taxação de fortunas: “não há democracia com fome”

Durante fala, que aconteceu no lançamento da Coalizão Global por Justiça Social, Lula reforçou pautas defendidas pelo movimento sindical brasileiro: o impacto da inteligência artificial nos empregos, a taxação dos super ricos e desafios da crise climática

Não há mais itens para carregar no momento