1535 resultados Ver todos os resultados
1535 resultados Ver todos

Contraf-CUT questiona e Caixa vai debater proposta de reestruturação

Imagem ilustrativa

Reunião foi marcada por solicitação da representação das empregadas e empregados após boatos aventarem que banco transformará agências físicas em unidades de negócios e fechar postos de atendimento

Em ofício enviado à Caixa Econômica Federal, na segunda-feira (17), a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), ressalta a preocupação com boatos sobre uma reestruturação no banco, com mudança de perfil de atendimento de algumas unidades e o fechamento de agências, e solicita uma reunião para debater sobre o tema, “sobretudo no que tange aos direitos dos trabalhadores envolvidos”. Após receber o ofício, a Caixa agendou, para terça-feira (25), uma reunião para tratar do assunto.

Em seu texto, a Contraf-CUT lembra que o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) vigente determina que qualquer reestruturação que necessite da movimentação física ou operacional dos empregados, deve ser previamente debatida com os representantes dos trabalhadores.

“Não é aceitável que qualquer destes processos afete negativamente os empregados, sobretudo com relação à remuneração, realocação, plano de carreira e diversos temas construídos individual e coletivamente pelos trabalhadores”, disse o diretor da Contraf-CUT e coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa, Rafael de Castro.

Prejuízo aos clientes, ao comércio e ao país

O coordenador da CEE ressalta que a redução do número de unidades físicas de atendimento pode prejudicar não apenas os empregados, mas toda a população, inclusive o comércio e a economia local das cidades e bairros localizados nas proximidades das agências escolhidas para serem fechadas.

“A Caixa desempenha um papel fundamental, de caráter público e social, que pode ser afetado pela mudança do perfil de atendimento e fechamento de agências”, disse Rafael. “O banco presta um serviço à sociedade, que os demais bancos não têm interesse em prestar, por não lhes trazer retorno financeiro, que é o atendimento à população de baixa renda. Querer equiparar a atuação da Caixa à de bancos que estão abrindo unidades de negócios, sem levar em conta essa característica da Caixa, é desprezar a população atendida e a importância social da Caixa, inclusive para a ampliação do atendimento bancário à população, que é uma obrigação prevista em lei”, reforçou o dirigente da Contraf-CUT.
 

Notícias Similares

Imagem ilustrativa

Santander muda bandeira de VA e VR e COE cobra que bancários não sejam prejudicados

O banco informou que a medida ocorreu devido à venda da empresa Ben, que pertencia ao grupo; A nova bandeira será a Pluxee

Imagem ilustrativa

Empregados cobram mesa de negociações sobre a Funcef

Contraf-CUT enviou ofício à Caixa reiterando pedido para que o banco e a administradora dos fundos negociem com a representação dos trabalhadores uma proposta que não gere prejuízos aos participantes

Imagem ilustrativa

COE Santander inicia negociações e reitera defesa dos direitos dos empregados

Um dos principais temas debatidos durante o encontro foi a questão do emprego

Imagem ilustrativa

COE BMB reivindica melhorias em metas e segurança dos PAAs

Representantes dos trabalhadores são contra a retirada de vigilância armada, por insegurança para funcionários e clientes

Imagem ilustrativa

Associados comemoram vitória na Câmara e planejam nova mobilização em live

A transmissão acontece nesta terça-feira (16), às 18h30, nos canais do YouTube e do Facebook dos associados Previ

Imagem ilustrativa

Segunda reunião de negociação com o BNB aborda igualdade de oportunidades

Nova rodada de negociação acontece no próximo dia 26

Imagem ilustrativa

Fabiana Uehara questiona Caixa sobre leilão que pode favorecer o Flamengo

Representante dos empregados no Conselho de Administração do banco enviou ofício a Carlos Vieira solicitando informações sobre desapropriação de terreno de fundo administrado pelo banco

Imagem ilustrativa

Caixa: Empregados cobram respeito à jornada e pagamento de extras

Preocupação com denúncias envolvendo a Caixa Asset e reivindicação para que haja negociações em mesa sobre a Funcef também foram abordadas

Imagem ilustrativa

Banco do Brasil se compromete a não mexer na gratificação dos caixas durante a Campanha Nacional 2024

O tema será negociado no período. A garantia foi dada pela direção do banco na terceira mesa de negociação da Campanha Nacional 2024, nesta sexta-feira (12)

Imagem ilustrativa

Contraf-CUT, Fenae e Apcefs denunciam retaliação a gerentes da Caixa

Empregados que se recusaram a dar aval a uma operação de compra de letras financeiras de alto risco; confira nota das entidades

Não há mais itens para carregar no momento