BH: Sindicato verifica condições de trabalho no Call Center do Mercantil do Brasil

O Sindicato dos Bancários de BH e Região foi até a unidade de Call Center do Banco Mercantil do Brasil do bairro Prado, em Belo Horizonte, na quinta-feira (19) para verificar as condições de trabalho e dialogar com trabalhadoras e trabalhadores. O sindicato havia recebido reclamações de funcionários lotados no Call Center pelo canal de denúncias. Os relatos são de que existem problemas sobre o clima organizacional.

Os diretores do sindicato e funcionários do Mercantil, Marco Aurélio Alves e Vanderci Antônio da Silva, explicaram aos trabalhadores sobre a importância da organização da categoria bancária para a busca de melhores condições de vida, de trabalho e dignidade a todos.

Os dirigentes sindicais também ressaltaram a importância da atuação firme do sindicato na cobrança para que o Mercantil cumpra as normas que estabelecem os parâmetros mínimos para o trabalho em atividades de teleatendimento/telemarketing nas diversas modalidades desse serviço, de modo a proporcionar o máximo conforto, segurança, saúde e desempenho.

Os representantes do sindicato também se colocaram à disposição para sanar dúvidas sobre os direitos e conquistas de todos os bancários, como PLR, vale-alimentação, auxílio-creche, licença-maternidade de seis meses, jornada de seis horas, reajustes acima da inflação, que garantiram aumento real de 21,8% desde 2004, descanso aos sábados, auxílio bolsa educacional, dentre outros.

Eles também se prontificaram a receber, encaminhar e manter sigilo sobre a fonte de eventuais denúncias de qualquer outra anormalidade que possa ocorrer no ambiente de trabalho do Call Center.

O funcionário do Mercantil do Brasil e diretor do sindicato, Marco Aurélio Alves, explicou que os direitos da categoria não são “benefícios” que os bancos concedem aos seus empregados. “Antes de tudo, são direitos conquistados por meio da mobilização e organização da categoria bancária ao longo de décadas de luta do sindicato em defesa dos trabalhadores”, afirmou.

Em relação às denúncias sobre o clima organizacional, o funcionário do Mercantil do Brasil e diretor do Sindicato, Vanderci Antônio da Silva, ressaltou que lidar com essas divergências é uma tarefa complexa, uma vez que envolve aspectos pessoais. “É fundamental que o banco procure, o mais rápido possível, a resolução de eventuais conflitos, pois atritos mal resolvidos podem trazer inúmeros problemas para a empresa. Queda na qualidade do trabalho, ineficiência no atendimento ao cliente, clima organizacional negativo, rivalidades e disputas são apenas alguns exemplos”, destacou.

Fonte: Contraf-CUT, com Seeb/BH e Região

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram