1535 resultados Ver todos os resultados
1535 resultados Ver todos

Agência da Caixa muda nome para resgatar história da comunidade negra

Imagem ilustrativa

Antiga agência Barão de Tefé, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, na região do Cais do Valongo, passou a se chamar agência Pequena África; bancários cobram outras medidas afirmativas para garantir igualdade de oportunidades e o combate ao racismo

Um importante passo foi dado, no dia 13 de junho, na luta pelo reconhecimento histórico da importância cultural da comunidade negra na região do Cais do Valongo, no Centro da Cidade do Rio de Janeiro. A antiga agência Barão de Tefé, da Caixa Econômica Federal, passou a se chamar Pequena África.
 

"Não se trata apenas de uma mudança do nome da agência, mas da substituição do nome de um escravocrata por um nome que valoriza a cultura da população local”, avaliou o secretário de Combate ao Racismo da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Almir Aguiar, se referindo aos bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo, localizados na região central da cidade, onde fica o Cais do Valongo (zona portuária). A região possui uma expressiva presença de negros e negras, originários de comunidades quilombolas e da população escravizada alforriada, que continuou trabalhando na região, mesmo após o comércio de negros escravizados ter se tornado ilegal no Brasil, em 1831.
 

“Nossa luta sindical vai além das pautas corporativas. Incorporam lutas sociais de todo movimento social”, disse o presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro (Seeb/Rio), José Ferreira, que é empregado da Caixa, ao lembrar que a agência fica bem próxima do local onde era o Cais do Valongo, onde eram recebidos os negros escravizados vindos da África. “Não apenas para o sindicato, mas para o movimento social de forma geral e para o movimento negro, especificamente, é o reconhecimento desta história, que tentaram esconder por muito tempo. Aliás, assim como acontece com a história, os negros também são invisibilizados nos bancos. Quando conseguem o emprego bancário, não raramente são colocados para desempenhar funções que não precisam ter contato com o público. A luta pela visibilidade e reconhecimento é uma luta do movimento negro e também é uma luta nossa, como sindicato cidadão”, completou o presidente do Seeb/Rio.

Igualdade de oportunidades

Um dado que aponta claramente a existência de racismo nos bancos é a diferença da remuneração média entre brancos e pretos. Segundo levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base em dados da Rais (relatório com informações socioeconômicas e trabalhistas do Ministério do Trabalho e Emprego), os bancários pretos tinham, em 2021, remuneração média 24% menor do que a parcela branca da categoria.

“A mudança do nome da agência para ‘Pequena África’ é uma vitória para todas as negras e negros, mas vamos continuar a luta contra o preconceito e pela igualdade de oportunidades na Caixa e em todas as instituições bancárias. Queremos nossa comunidade ocupando cargos de decisão nas empresas", disse Almir Aguiar, ao lembrar que a categoria bancária está em campanha e cobra que os bancos efetivem políticas de recursos humanos que garantam igualdade de oportunidade e combatam o racismo.
 

Entre as cobranças feitas pela categoria bancária, estão resoluções do VII Fórum pela Visibilidade Negra no sistema financeiro, como o estabelecimento de um protocolo de intenções entre os bancos públicos e os Ministérios da Igualdade Racial e da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, para promover a reserva de 30% dos cargos de confiança no ramo financeiro para negras e negros, atendendo ao Decreto 11.443/2023, que dispõe sobre o preenchimento de percentual mínimo de cargos em comissão e funções de confiança, no âmbito da Administração Pública Federal, por pessoas negras.
 

“Precisamos continuar exigindo que a Caixa promova políticas de reparação, não só nos espaços internos, como processos seletivos e alta gestão, mas também garantindo o atendimento à sociedade sem nenhuma discriminação, com atuação em áreas periféricas e carentes”, disse o empregado da Caixa e representante da Federação das Trabalhadoras e Trabalhadores do Ramo Financeiro do Estado do Rio de Janeiro (Federa-RJ), Serginho Amorim.
 

Para os bancos privados, a reivindicação é para que haja reserva de 30% das vagas e de 30% dos cargos de direção do banco para pessoas negras.
 

Fonte: Contraf-CUT, com informações do Seeb/Rio
 

Notícias Similares

Imagem ilustrativa

COE Bradesco entrega minuta de reivindicações dos bancários

Documento aborda temas cruciais como a manutenção dos empregos, segurança das agências e contratação da remuneração total dos trabalhadores

Imagem ilustrativa

Caixa: Começou a negociação sobre igualdade e diversidade

Além da negociação em si, expectativa é que reunião traga resposta da Caixa quanto ao GT Tripartite sobre a Funcef; Comitê de Diversidade entregou ao banco um documento com considerações sobre o Programa de Diversidade e Inclusão da Caixa

Imagem ilustrativa

Funcef: Empregados têm proposta e querem apresentar

Ampla maioria dos participantes rejeita proposta apresentada pela Caixa e pela Funcef e quer participar da construção de uma nova opção que não reduza seus direitos

Imagem ilustrativa

Gerentes PJ conquistam melhorias nas condições de trabalho no Santander

A COE garantiu avanços significativos ao melhorar a rotina e condições de trabalho

Imagem ilustrativa

Santander muda bandeira de VA e VR e COE cobra que bancários não sejam prejudicados

O banco informou que a medida ocorreu devido à venda da empresa Ben, que pertencia ao grupo; A nova bandeira será a Pluxee

Imagem ilustrativa

Empregados cobram mesa de negociações sobre a Funcef

Contraf-CUT enviou ofício à Caixa reiterando pedido para que o banco e a administradora dos fundos negociem com a representação dos trabalhadores uma proposta que não gere prejuízos aos participantes

Imagem ilustrativa

COE Santander inicia negociações e reitera defesa dos direitos dos empregados

Um dos principais temas debatidos durante o encontro foi a questão do emprego

Imagem ilustrativa

COE BMB reivindica melhorias em metas e segurança dos PAAs

Representantes dos trabalhadores são contra a retirada de vigilância armada, por insegurança para funcionários e clientes

Imagem ilustrativa

Associados comemoram vitória na Câmara e planejam nova mobilização em live

A transmissão acontece nesta terça-feira (16), às 18h30, nos canais do YouTube e do Facebook dos associados Previ

Imagem ilustrativa

Segunda reunião de negociação com o BNB aborda igualdade de oportunidades

Nova rodada de negociação acontece no próximo dia 26

Não há mais itens para carregar no momento