35° Conecef apoia bancário que sofre censura da Caixa

Atitude contra Pedro Eugênio Beneduzzi é resultado da ação jurídica impetrada pelo atual presidente da Caixa, Pedro Guimarães

Os participantes da 35° Conferência Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef) aprovaram, durante o evento, uma moção de apoio e solidariedade ao bancário Pedro Eugênio Beneduzzi Leite que, por meio de ação jurídica impetrada pelo atual presidente da Caixa, Pedro Guimarães, vem sofrendo censura e repetidos ataques ao seu direito de liberdade de expressão.

De acordo com o site Consultor Jurídico (Conjur), a ação afirma que Beneduzzi usa o Facebook para postar informações “não oficiais” da conduta da estatal. “De acordo com a Constituição, o cidadão tem a liberdade de emitir suas opiniões. Entretanto, as publicações evidenciam um caráter danoso com críticas ofensivas”, diz trecho da ação.

Para os bancários, a ação que tramita na Justiça de Brasília, em caráter sigiloso, se utiliza da tática de criação do inimigo interno e da criminalização da política, configurando-se ainda como um atentado contra a liberdade de expressão traduzida na organização autônoma dos trabalhadores do banco.

“Reafirmamos e defendemos o direito democrático e constitucional de qualquer cidadão manifestar livremente, opiniões, ideias e pensamentos pessoais sem medo de retaliação ou censura de natureza política ou ideológica”, diz um trecho da moção.

“É um absurdo o que está acontecendo na Caixa. O presidente do banco não pode punir um empregado que postou sua opinião nas suas redes sociais. Apesar de parecer ser a intenção do governo, não estamos vivendo na Ditadura Militar e não vamos permitir censura”, declarou Fabiana Uehara Proscholdt, secretária da Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e representante da Confederação nas negociações com o banco.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram