1535 resultados Ver todos os resultados
1535 resultados Ver todos

Trabalhadores entregam minuta de reivindicações ao Santander

Imagem ilustrativa

Encontro é o primeiro passo para o início das negociações do ACT específico dos trabalhadores do banco

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander, responsável pelas negociações do acordo específico com o banco, entregou, na manhã desta segunda-feira (10), a minuta de reivindicações. A pauta foi aprovada durante o Encontro Nacional dos Funcionários do Santander, que ocorreu no último dia 6, na capital paulista.

O encontro de hoje é o primeiro passo para o início das negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do banco – aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária.

“Estivemos, nesta manhã, na sede do banco Santander, em São Paulo, com a vice-presidente de RH, Germanuela de Almeida de Abreu, para entregar a minuta de reivindicações. O documento também foi recebido pela superintendência de RH Sindicais do banco, representada por Marcelo Couto”, ressaltou a coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE/Santander), Wanessa Queiroz. “Nós iniciamos esta reunião com um pedido de calendário, para estabelecer as negociações a partir do próximo período”, pontuou. 

A representante dos trabalhadores e trabalhadoras do Santander, na mesa de negociação com o banco, ressaltou que a minuta é composta por três blocos: “o primeiro são das cláusulas vigentes do acordo atual, que tem duração até 31 de agosto de 2024; o segundo bloco são das cláusulas oriundas dos funcionários e funcionárias do banco Banespa; e o terceiro são de cláusulas novas, construídas para encaminharmos as discussões e também as negociações para a renovação da minuta deste ano”, completou Wanessa.

Pré-acordo para manter garantias 
Junto com a minuta, os trabalhadores entregaram ao banco um pré-acordo de garantias, assinado por todas as federações sindicais que compõem a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), e inclui Feeb-SP/MT e a Afubesp. “Na reunião, nós enfatizamos a importância deste termo, para garantir a manutenção de todos os direitos e conquistas do acordo vigente, tanto nas cláusulas sociais e econômicas quanto nas sindicais, até que possamos assinar um novo acordo", observou Wanessa. 
 

PPRS
“Os representantes do banco destacaram que a empresa tem a expectativa de realizar uma alteração no acordo vigente, no que diz respeito ao pagamento da PPRS, para que possa ser compensada da PLR, como é praticado por algumas outras instituições. Nós enfatizamos a importância da manutenção dessa conquista aos trabalhadores que construíram e constroem os resultados do banco. Além disso, o banco Santander tem inúmeros incentivos fiscais no pagamento dos seus tributos. Portanto, parte desse valor deveria ser revertido com a distribuição linear para todos os seus trabalhadores no Brasil”, completou a representante da COE.

Isenções 
Wanessa destacou ainda que os trabalhadores irão priorizar, nesta campanha, a cobrança ao banco para que isente totalmente as tarifas cobradas dos empregados. "O Santander é o único banco do país que cobra tarifa de seus funcionários. E deveria, também, assim como os demais, isentar as tarifas e reduzir juros cobrados dos funcionários".

Redução de jornada, PcDs e neurodivergentes
Os trabalhadores também pedem, na minuta, a redução de jornada para quatro dias. "Essa redução já está sendo implementada em diversas empresas da Europa", salientou a coordenadora da COE.

O documento possui ainda medidas de inclusão de direitos aos pais e funcionários com deficiências (PcDs) e neurodivergentes. "Há uma demanda muito grande, atualmente, no banco sobre esses temas. Houve um aumento de 300% de solicitações de ajudas sociais para custear a co-partipação que é cobrada pelos planos de saúde e isso tem impacto no orçamento dos funcionários, porque há uma necessidade contínua em terapias para a manutenção de tratamentos a esses grupos", explicou Wanessa.
 

Termos de compromisso: Cabesp e Banesprev
Anexa à minuta, existem dois termos de compromisso, um da Cabesp e outro do Banesprev. "Estamos falando de importantes direitos garantidos e negociados pelo movimento sindical, desde a privatização do Banespa. É fundamental que o banco continue com as suas responsabilidades econômica e social para com todos os funcionários, da ativa e os aposentados. É fundamental o banco avançar para uma negociação construtiva e que valorize todos os empregados no Brasil, na questão da previdência bem como nos planos de saúde", ressaltou Wanessa.
 
Fotos: Luan Silva/SPBancários


Mobilização de todas e todos é fundamental 

“O que recebemos do banco, a partir da fala da Germanuela, é que façamos uma negociação construtiva, que possamos nos ouvir e ter respeito durante todo o processo”, avaliou Wanessa. “Do nosso lado, é importante a participação e mobilização de todos e todas, para que  consigamos avançar nas negociações. É dessa forma, com a mobilização e unidade do movimento sindical e os funcionários, que iremos conseguir uma negociação forte e muito representativa, nacionalmente, para que a gente possa atuar na manutenção de direitos e avançar em cláusulas novas”, concluiu.
 

Texto descritivo da imagem aqui


 
Fotos de Luan Silva: SPBancários

Notícias Similares

Imagem ilustrativa

Minuta de reivindicações da categoria vai à votação em todo o país

Assembleias serão realizadas nesta quinta (13), para que bancárias e bancários das bases representadas pela Contraf-CUT possam deliberar sobre minutas de reivindicações para renovação da CCT e dos ACTs

Imagem ilustrativa

26ª Conferência Nacional aprova reivindicações da campanha

Aumento real de 5%, PLR maior e ampliação de direitos; fim do assédio e dos instrumentos adoecedores na cobrança de metas; defesa dos empregos, impactados pelos avanços tecnológicos no trabalho bancário; são três dos nove eixos de reivindicações

Imagem ilustrativa

Aumento real é prioridade para bancários

Consulta Nacional ouviu 46.824 trabalhadoras e trabalhadores da categoria em todo o país; aumento real, aumento da PLR e aumento maior para o VA e VR são as três prioridades econômicas

Imagem ilustrativa

Campanha Nacional dos Bancários 2024 vai conectar a luta de todos por um futuro melhor

Com mensagens simples e objetivas, campanha foca na reconstrução da confiança e na união dos bancários pela valorização da história de luta e conquistas da categoria

Imagem ilustrativa

Categoria desenvolve cartilha de atuação em redes sociais

Projeto, que já está em fase de finalização, foi apresentado durante 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro

Imagem ilustrativa

Resultados e conjuntura impactam negociações deste ano

Reajustes obtidos pelos trabalhadores dos últimos 15 meses e manutenção da alta rentabilidade dos bancos podem favorecer negociações dos bancários

Imagem ilustrativa

Grandes empresas de tecnologia detêm informações políticas e econômicas

Controle de sistemas de busca, interação e armazenamento do mundo digital, por grandes corporações, concentradas em sua maioria nos Estados Unidos, geram um colonialismo digital

Imagem ilustrativa

Pedro Serrano analisa a conjuntura nacional e o combate à extrema direita no Brasil e no mundo

Imagem ilustrativa

Unidade é fundamental para conquistar direitos e reconstruir o país

Sindicatos precisam politizar a campanha para mostrar aos bancários que somente é possível garantir e avançar na conquista de direitos a partir da luta contra o desmonte do país

Imagem ilustrativa

Livro sobre os impactos da Lava-Jato nos empregos é lançado na 26ª Conferência Nacional dos Bancários

Obra, organizada pelas juristas Gisele Cittadino e Carol Proner, reúne artigo de especialistas das mais diversas áreas do direito, além de economistas e jornalistas

Não há mais itens para carregar no momento