Sindicato participa de mobilização em Defesa dos Planos de Saúde

Nesta quarta-feira (25), os diretores do Sindicato dos Bancários de Campo Grande – MS e região participaram do Dia Nacional de Luta em Defesa dos Planos de Saúde dos trabalhadores das estatais, como o Saúde Caixa e a Cassi. A ação teve como objetivo denunciar a tentativa de ataque aos acordos coletivos e aos direitos dos trabalhadores das empresas públicas. Em Campo Grande, o ato aconteceu na agência do Banco do Brasil na esquina das ruas 13 de Maio e Dom Aquino.

Os dirigentes sindicais entregaram um material explicativo para conscientizar empregados e aposentados sobre os ataques que o plano de saúde vem sofrendo por parte do governo Federal.

“Todos nós, aposentados e da ativa, queremos a sobrevivência dos nossos planos de saúde, e por isso precisamos muito nos apoderar das informações, ler bastante sobre o assunto do que está acontecendo atualmente e se mobilizar junto com a categoria. A luta agora é muito importante, pois nós temos uma resolução da CGPAR que tem impactado diretamente em todos os planos de saúde”, afirmou o Secretário de Imprensa e Comunicação e funcionário do Banco do Brasil, Rubens Jorge Alencar.

A Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), órgão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, apresentou diversas alterações à gestão dos planos de assistência médica dos trabalhadores das empresas públicas federais.

As resoluções vedam a criação de novos planos administrados pelos RH das empresas, limitam a lista de dependentes aos cônjuges e filhos, e propõem a alteração do sistema paritário de contribuição aos planos de saúde, sendo 50% para as empresas e 50% para os funcionários – atualmente, na Caixa, é de 70% para as estatais e de 30% para seus empregados. E, no Banco do Brasil de 60% para as estatais e 40% para os funcionários.

O secretário geral do SEEBCG-MS, José dos Santos Brito, destacou o desafio da luta pelos direitos dos bancários nos próximos meses. “Este ano é um ano diferente dos outros pelo cenário político e econômico em que vivemos, com muita dificuldade para os trabalhadores. Então neste momento nós precisamos mais do que nunca da união da categoria com o sindicato. Só dessa forma nós vamos conseguir avançar e garantir os nossos direitos que estão sendo retirados”, enfatizou.

Campanha Nacional

A defesa dos bancos públicos e os seus respectivos planos de saúde fazem parte dos pontos centrais da Campanha Nacional dos Bancários 2018 que tem como slogan “Todos Por Tudo”. Os pontos centrais da Campanha são: defesa dos empregos; defesa das homologações realizadas nos sindicatos; defesa dos bancos públicos que estão sendo desmontados e preparados para privatização; acordo que garanta a ultratividade da CCT.

Mesmo lucrando, os bancos fecharam 2.846 postos de trabalho no país entre janeiro e junho de 2018. A diminuição dos postos de trabalho aumenta a sobrecarga de trabalho dos funcionários que ficam nas agências, aumentando o caso de doenças ocupacionais e a maior necessidade de um plano de saúde adequado.

 “Se há uma diminuição de emprego dentro dos bancos, há maior carga de trabalho, pressão por metas e aumento das práticas de assédio dentro do bancos, isso evidentemente aumenta o número de adoecimentos dos bancários. Nós precisamos que nosso plano de saúde continue operando da melhor forma. E por isso nós precisamos manter o nosso plano”, frisou o Secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato e funcionário do BB, Orlando de Almeida.

O diretor destacou ainda o trabalho do sindicato na conscientização dos bancários que trabalham no interior do estado. “É importante frisar que estamos também levando toda essa informação para o interior, porque a gente sabe que também há uma dificuldade nessas cidades e por isso estamos fazendo visitas até as cidades para conscientizar os bancários da importância da luta”, finalizou.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram