SindBancários paralisa atividades do Santander em protesto nacional contra o banco

Atropelando o Acordo Coletivo Nacional da categoria bancária assinado com a Fenaban, e que tem vigência legal até 31 de agosto de 2018, o banco espanhol Santander decidiu, de forma unilateral e inconstitucional, aplicar já neste mês de dezembro as regras abusivas da Reforma Trabalhista do desgoverno Temer. Tentou forçar os trabalhadores a assinarem um “Acordo Individual de Banco de Horas Semestral”. Nossa resposta, através da Contraf CUT foi um dia de paralisação em todo o país. Aqui em Porto Alegre e na Região de Abrangência do SindBancários, nossa mobilização nesta quarta-feira, 20, manteve fechadas 48 agências e mais de 800 bancários de braços cruzados.

Cultura da exploração

“Este banco estrangeiro tem a cultura de explorar seus trabalhadores e seus clientes – agora tenta ser o primeiro a implantar a tal reforma trabalhista”, destacou o presidente do SindBancários, em ato na frente do Santander Cultural, na Praça da Alfândega, Centro de Porto Alegre. “Mas não vai ser tão fácil. Estamos resistindo, vamos continuar com as paralisações e, se for preciso, iremos até a greve”, garantiu Everton Gimenis. Ele lembrou que as crises nunca atingem os banco e banqueiros. “Ao contrário, os bancos sempre querem impor mais metas abusivas, gerando exploração e adoecimento. Vamos lutar nos tribunais, mas também aqui, no dia a dia”, concluiu.

“Presente de natal”

“O Santander colocou uma enorme árvore de natal em frente ao banco, mas o presente de Papai Noel que ele dá a seus funcionários é o ataque aos direitos trabalhistas”, apontou o diretor de Comunicação do Sindicato dos Bancários. “Os banqueiros querem é aumentar a exploração dos trabalhadores e dos clientes, e no caso do Santander, o dinheiro sequer fica no Brasil”, recordou Mauro Salles. “A população precisa entender que não é uma luta só dos bancários – os ricaços não vão nos defender. Nós trabalhadores é que precisamos resistir”, afirmou, enquanto algumas pessoas aplaudiam o ato do SindBancários e Fetrafi-RS.

Previdência privada

Diretor do Sindicato e funcionário do Santander, Paulo Stekel reforçou que a voracidade dos bancos para implantar a reforma trabalhista e da Previdência – junto com outros setores da elite econômica do país – tem razões muito concretas, visando aumento de lucros. “No caso do esvaziamento da aposentadoria dos brasileiros e brasileiras, na Reforma que Temer tenta aprovar neste Congresso corrupto, temos que lembrar que ela não atinge o Judiciário, os políticos ou os militares – que já são privilegiados – e sim os trabalhadores”, enfatizou.

“E o esvaziamento e a chamada crise da Previdência pública tem o objetivo de obrigar a população a fazer previdência privada, administrada pelos bancos, que será mais uma mina de ouro para eles, em cima da exploração da maioria dos trabalhadores”, explicou Stekel.

Pacotão de maldades

Vale lembrar que as arbitrariedades do Santander não param por aí. Sem negociação, o banco mudou a data de pagamento de salários, do dia 20 para o dia 30. Os meses de pagamento do 13º, antes março e novembro, agora passam a ser maio e dezembro. Além disso, houve aumento abusivo no pagamento do plano de saúde, enquanto se registra um grande número de demissões.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram