Festa dos bancários em Campo Grande comemora manutenção dos direitos

A tradicional Festa dos Bancários aconteceu no último sábado (22) e reuniu dirigentes sindicais, funcionários dos bancos públicos e privados e seus familiares. O evento foi realizado pelo Sindicato dos Bancários de Campo Grande-MS e Região, em comemoração ao Dia do Bancário, que é celebrado no dia 28 de agosto.

Durante a solenidade de abertura da festa, o presidente do SEEBCG-MS, Edvaldo Barros, ressaltou que, neste ano, a categoria tem um motivo a mais para festejar: a garantia de todos os direitos da convenção coletiva, que estavam ameaçados pela reforma trabalhista. “Foi a primeira negociação após a reforma trabalhista e a aprovação da terceirização. Foi um processo bastante difícil até pela conjuntura econômica e política do país, mas a categoria mostrou, mais uma vez, a sua força, realizando mobilizações e enfrentando todas as adversidades, e conseguimos fazer uma boa negociação”, avaliou.

Além da manutenção de todos os direitos previstos pela Convenção Coletiva de Trabalho, o acordo válido por dois anos garantiu reajuste de 5% em 2018, com aumento real de 1,31%, e 1% de ganho real em 2019.

“O lema da nossa campanha dizia “nenhum direito a menos” e chegar ao final com esta condição de manter os direitos e ainda assim dar ganho real na massa salarial do bancário é de fato algo positivo e nós estamos muito contentes com isso”, reforçou o presidente da Fetec-Cut/CN, Cleiton dos Santos.

“Para a categoria bancária, este ano foi muito difícil com fechamento de agências bancárias, demissões, PDV’s na Caixa e no Banco do Brasil, ameaças nos planos de saúde das empresas públicas. Na maioria das lutas, nós tivemos conquistas, principalmente agora, com o fechamento da nossa convenção, foi muito importante para nós, um acordo onde o bancário teve ganho real de salário”, destacou o secretário geral do sindicato, José dos Santos Brito.

''Quando nós estamos unidos, nós conseguimos muito mais conquistas, só os diretores do sindicato não fazem nada, a gente organiza a luta, mas a luta é de todos, então a categoria é a responsável”, comentou a secretária de Administração e Patrimônio do sindicato, Luciana Rodrigues.

Eleições

O presidente do sindicato também destacou que os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa são os únicos do setor público que conseguiram aumento real e aproveitou para transmitir uma mensagem aos bancários sobre as eleições deste ano.

“No dia 7 de outubro, é importante a categoria escolher políticos que tenham compromisso com os trabalhadores. Essa é uma preocupação e uma responsabilidade que temos que ter não apenas por nós, mas por nossos filhos e netos”, comentou Edvaldo Barros.

“Agora vem uma eleição, um novo governo, então isso vai definir os rumos que a Caixa vai tomar. A Caixa como banco público depende muito do direcionamento do governo federal, então, a partir do final do ano, nós vamos saber que tipo de direcionamento que o país vai estar e quais políticas teremos que fazer em defesa da Caixa, que é um banco, um instrumento de política de desenvolvimento no país e precisamos manter a Caixa 100% pública”, reforçou o secretário de Esportes e Lazer do SEEBCG-MS e funcionário da Caixa, Jadir Fragas.

Trabalho sindical

Os diretores do sindicato também lembraram outros trabalhos realizados pela entidade sindical na luta dos direitos da categoria, como o fortalecimento dos meios de comunicação para que as notícias cheguem até os bancários. “Nós temos montado uma estratégia de aumentar a comunicação. Temos investido nas mídias para que essa informação chegue ao bancário para que ele possa realmente ter conhecimento do que está ocorrendo por uma via isenta, não do patrão”, informou o secretário de Imprensa e Comunicação do sindicato, Rubens Jorge Alencar.

O secretário de Assuntos Jurídicos do SEEBCG-MS, Orlando de Almeida Filho, destacou as ações judiciais em prol dos bancários e para combater a nova lei trabalhista. “Estamos trabalhando na constituição de novas ações trabalhistas, fazendo luz a esse cenário que a gente tem vivenciado, mas que a gente possa distribuir ações que irão ao encontro ou tentar minimizar esse impacto nefasto que está sendo materializado pela reforma trabalhista”, ressaltou.

“Lutar contra essa sucumbência de pagar honorários para a parte contrária, contra custos processuais, a gente tem estudado muito uma forma do bancário não pagar e não arcar com esse ônus, que no qual muitas vezes é por culpa exclusivamente do empregador. A gente está muito atento na relação das ações coletivas, resguardando todo o direito do bancário assegurado. E também estamos dando muita eficácia na questão das ações individuais, focando muito na matéria de direito na questão do direito adquirido que o bancário tem”, comentou o assessor jurídico do sindicato, Oclécio Assunção Júnior.

Festa

Durante a solenidade de abertura da festa, a diretoria executiva agradeceu a presença dos bancários e realizou o sorteio de obras do artista plástico sul-mato-grossense Anor Mendes que idealizou o “Guerreiro Guaicuru”. A entrega das obras é uma forma de valorizar a cultura regional. Os sorteados foram Ana Paula Correia (Itaú), Alisson Marcelo Riete (Bradesco), Olívia S. Monteiro (Banco do Brasil), Michele Cátia Alves (Caixa Econômica Federal), Luiz Paulo Pereira dos Santos (Santander) e Tayná Solto Coelho (Alfa).

Segundo a secretária do sindicato, Neide Rodrigues, a festa dos bancários já é tradicional: “Os bancários gostam, participam e nada melhor, depois de muita luta e depois de uma batalha tremenda, a gente vem hoje para essa festa e vamos continuar com certeza. Nós estamos preparados financeiramente, porque com a reforma trabalhista, obviamente, que o sindicato fica em situações complicadas, mas entendemos que o número de associados hoje é alto e que o bancário vai continuar contribuindo para que a gente possa continuar fazendo não só a luta como também a parte de lazer e recreação”.

De acordo com a secretária de Organização e Informática, Leila de Oliveira, a luta precisa continuar até porque os bancários precisam se reinventar, já que a tecnologia, cada dia mais, ocupa postos de trabalho: “A tecnologia está ocupando postos de trabalho e o bancário, como qualquer outra categoria, precisa se ligar nisso, nós precisamos prestar atenção no que está acontecendo no mundo da tecnologia. Precisamos nos reinventar para poder comemorar, por muito mais anos, o dia do bancário”, complementou.

Após a solenidade, os bancários se divertiram ao som da banda “Somos iguais”, que mistura axé, forró e dance music.

Também participaram da confraternização, o presidente da Federação dos Bancários do Centro-Norte (Fetec-CUT/CN), Cleiton dos Santos; o secretário de relações políticas e sindicais da Fetec-CUT/CN e diretor da Contraf-CUT, Arilson da Silva; o presidente do Sindicato dos Bancários de Dourados e Região, Ronaldo Ramos; e a supervisora técnica do escritório regional do Dieese em MS, Andreia Ferreira.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram