Empregados do BNB no Piauí estão preparados para lutar por direitos

No que depender da força de vontade e participação dos empregados do BNB do Piauí, a Campanha Nacional 2018 será uma luta de todos e a mobilização é geral. Pelo menos foi assim a reunião na manhã desta quinta-feira (21/06), no auditório da agência Centro, com a presença dos diretores Lusemir Carvalho, Marcus Vinícius, Raimundo Nonato (Neide), Francisco Reis e Gece James.

Avaliando positivamente a participação dos empregados do BNB na reunião, Marcus Vinícius abordou como ponto principal: a Campanha Salarial Nacional e as questões específicas; também falamos sobre os informes dos processos jurídicos do SEEBF-PI, principalmente quanto ao processo da PLR 2012 que transitou em julgado favorável e a gente vai começar a execução, bem como abordamos uma proposta com relação ao ponto eletrônico”, diz, acrescentando que se trata de uma discussão que já vem sendo feita há alguns meses e que o BNB formalizou uma proposta, cuja discussão com os bancários, a avaliação dos presentes é de que a mesma é boa para categoria.

O diretor ressalta, inclusive, que a indicação do sindicato na assembleia que acontecerá no próximo dia 25/06 seja aprovada pelos bancários do BNB. “Com isso, no dia 27/06, junto com a primeira rodada de negociação que será realizada em Fortaleza (CE), com a presença do presidente do BNB, essa proposta do acordo coletivo do ponto eletrônico também será assinado já para entrar em vigor a partir da sua assinatura”, relata Marcus Vinícius.

Na visão do dirigente sindical, “o sentimentos que temos no BNB é de que o pessoal está se envolvendo mais nessa campanha salarial, isso nos dá o conforto de que poderemos fazer uma campanha forte e, se for o caso, uma greve como muito adesão dentro do BNB em Teresina”, enfatiza o sindicalista.

Quanto à expectativa para o próximo dia 27/06, que será o primeiro retorno do BNB após ter recebido a minuta específica, “a gente espera que o banco se posicione principalmente sobre a minuta do pré-acordo para a gente garantir o efeito da ultratividade, ou seja, que o nosso atual acordo coletivo seja mantido até a assinatura de um novo”, enfatiza, mencionando que a estratégia do dia 27 é conseguir assinatura também no pré-acordo.

Em seu discurso, Lusemir Carvalho ressaltou a situação de desmonte dos bancos públicos, conclamando todos a resistir e lutar contra a proposta da Reforma Trabalhista que prevê a retirada de direitos dos trabalhadores. Ela falou, também, sobre as cláusulas recorrentes do PCR que está altamente defasado, além da terceirização que, em sua avaliação, é fato no BNB.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram