Em julho, maioria dos reajustes ficou abaixo da inflação

Não foi fácil. Depois da Fenaban (federação dos bancos) apresentar proposta com aumento real (reposição do INPC mais reajuste) de 0,5% e retirada de diversos direitos, o Comando Nacional dos Bancários, que representa os trabalhadores nas mesas de negociação com os bancos, não arredou o pé e após muitas horas de debates conseguiu arrancar dos banqueiros uma nova proposta, que prevê aumento real de 1,18% e a garantia de todos os direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria.

Dados atualizados do Dieese mostram que a proposta é uma vitória para os trabalhadores. Em julho, 51% das negociações de outras categorias resultaram em acordos com perda salarial, ou seja, com reajustes abaixo da inflação. No mês, a variação real média dos reajustes ficou em -0,2%. Já no acumulado do ano, a variação real média dos reajustes, levando em conta 4.659 acordos, ficou em 0,97%. Ou seja, o aumento real arrancado da Fenaban (1,18%), com a força dos bancários, que se mobilizaram nas ruas e redes, ficou acima da média das negociações já realizadas em 2018.

“Em uma conjuntura totalmente adversa conseguimos uma proposta que não só derrotou a reforma trabalhista no que diz respeito à nossa CCT, com a manutenção de absolutamente todas as nossas conquistas históricas, válidas para todos os bancários, inclusive derrotando o conceito de trabalhador hipersuficiente [que possui  nível superior e ganha acima de dois tetos do INSS, atualmente em R$ 11.291,60], que negociaria seus direitos diretamente com o patrão; como também prevê aumento real acima da média de todas as negociações já realizadas em 2018”, enfatiza Ivone Silva, uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

“Também foram garantidos os direitos previstos nos acordos específicos do Banco do Brasil e Caixa, que estavam seriamente ameaçados pelo governo federal, permanentemente com a tesoura na mão para cortar direitos. No caso da Caixa, a manutenção do Saúde Caixa e da PLR Social é uma vitória estrondosa contra o governo Temer”, acrescenta.

Assembleias

Os bancários de todo o país avaliarão a proposta em assembleias na quarta-feira 29. “Orientamos pela aprovação da proposta. Essa é uma decisão tomada com muita responsabilidade pelo Comando Nacional. Cabe aos bancários de todo o país, de bancos públicos e privados, uma profunda reflexão sobre os riscos de uma greve na atual conjuntura. Caso um possível movimento descambe para a judicialização existe uma grande chance de sairmos do tribunal com um acordo bem inferior ao que foi proposto pela Fenaban”, alerta Ivone.

Campanhas que foram à Justiça tiveram perdas

As categorias que tiveram que resolver suas campanhas no Tribunal Superior do Trabalho não obtiveram sucesso na reivindicação por aumento real. Os trabalhadores da Companhia Brasileira de Trens Urbanos, Valec Engenharia, Embrapa e Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco obtiveram reajuste pouco abaixo da inflação e manutenção das cláusulas sociais. Já no caso dos Correios, o tribunal decidiu pela reposição da inflação, sem aumento real, e os trabalhadores ainda tiveram excluída do acordo a cláusula que assegura o plano de saúde.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram