Com fim de interdito do HSBC, Paraná segue na greve com 76% das agências fechadas

A greve nacional dos bancários completou 28 dias, nesta segunda-feira (03). No Paraná, 75% das agências bancárias permanecem fechadas, além de mais nove centros administrativos, incluindo quatro do HSBC. A greve também abrange cinco financeiras. Os dados são da Federação dos Trabalhadores das Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-CUT-PR) que representa quase a totalidade da categoria no estado.

Pesquisas realizadas por diversas entidades, utilizando os mesmos critérios de doença adotados pela Organização Mundial da Saúde da ONU, mostraram que os acidentes de trabalho causados por doenças ocupacionais é de 30% entre os bancários, enquanto nas demais categorias profissionais, fica em 2%. Os dados foram obtidos por meio de consultas ao INSS.

Em artigo científico, intitulado: O Trabalho Penoso dos bancários: Adoecimento, Gravosidade e Desequilíbrio nas Relações Laborais, os pesquisadores José Ricardo Ceatano Costa e Liane Francisca Hüning Birnfeld, mostram que que as doenças psíquicas são as que mais acometem trabalhadores bancários. São eles que estão submetidos diretamente à exploração das instituições financeiras que sustentam o capital.

As pesquisas citadas no referido artigo apontam para a existência de novas patologias associadas às diversas síndromes até então desconhecidas ou pouco estudadas, tais como a de burnout, do pânico, entre outras. O assédio moral no trabalho, por sua vez, ganha proporções até então desconhecidas.

A exigência das metas, bem como o assalto crescente às agências bancárias, agrava esse quadro. Registre-se que as metas deixaram de ser cobradas somente às agências para, além delas, serem cobradas de forma individual, gerando uma competição interna que viola os mínimos princípios da solidariedade e da vivência em grupo. O resultado dessa política, ora institucionalizada, é o adoecimento dos bancários devido às doenças que se desencadeiam devido a esse processo.

Para os pesquisadores, não há dúvidas que o ambiente de trabalho dos bancários está em dissonância com o disposto no art. 225 da Carta Política de 1988, ou seja, um ambiente equilibrado, saudável e construtor dos direitos mínimos de cidadania. O adoecimento, cada vez mais frequente, os auxílios-doenças e as aposentadorias por invalidez precoces, que oneram o sistema previdenciário como um todo, são indícios desta realidade.

“Todas estas questões, a nosso ver, confluem no conceito de penosidade, conforme vem sendo construído pela doutrina. Não há dúvidas que o labor dos bancários implica em um desgaste, psíquica e fisicamente, que conduzem a doenças mentais e físicas. Esse desgaste, ao que indicam as pesquisas, é paulatino, cumulativo, esparso. Seja a LER/DORT, que já perdeu espaço para outras doenças psíquicossomáticas, sejam as outras síndromes nominadas neste estudo, são "doenças invisíveis", o que dificulta a sua constatação”, afirmam os cientistas Costa e Liane Birnfeld.

No início deste ano, em oficina que tratou do adoecimento dos bancários, realizada durante o Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, o presidente da Federação dos Trabalhadores das Empresas de Crédito do Paraná, Júnior Cesar Dias, concorda: “Este debate, que diz respeito aos métodos de administração que provocam o adoecimento dos funcionários, tem que ser discutido mundo afora”, afirmou.

Bancos públicos na mesma linha

“Hoje vemos bancos públicos como o Banco do Brasil e a Caixa Federal praticando o mesmo tipo de gestão e provocando o mesmo adoecimento em seus funcionários que os bancos privados, o que não deveria acontecer”, denunciou Júnior. Ele acrescenta que é de conhecimento dos sindicatos que tem havido um alto índice de suicídios, sendo alguns cometidos dentro de agências bancárias. Os casos já foram levados ao Ministério Público do Trabalho que realiza investigações sobre o problema

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram