BB: Seeb Paraíba cobra solução para caos nas agências

Também foram apresentadas novas denúncias de caos nas agências

O Sindicato dos Bancários da Paraíba participou, na sexta-feira (17), de uma reunião com o superintendente regional do Banco do Brasil, Antônio Carlos Servo, e o superintendente comercial Adriano Sonntag Maia. Foram apresentadas novas denúncias de caos nas agências, devido à falta de funcionários, às condições precárias de trabalho e à prática de assédio moral, e cobraram providências para os problemas apresentados em relatório entregue no final do ano passado.

Antônio Servo explicou que a correria para a fusão das superintendências estaduais do Rio Grande do Norte com a da Paraíba inviabilizaram a análise apurada das denúncias, bem como a solução para os problemas elencados. “Uma vez que não conseguimos dar um retorno em tempo hábil, acatamos a sugestão do Sindicato e aguardamos a atualização do relatório, inclusive com as demandas apresentadas nesta reunião, para fazermos a devida análise, solucionarmos os problemas que estejam sob nossa alçada, encaminharmos os que dependam de solução em instâncias superiores e darmos retorno ao Sindicato dos Bancários o mais breve possível”, arrematou.

Agências sem numerário, estruturas precárias e a prática de assédio moral, inclusive via celular, foram alguns dos problemas denunciados e levados aos superintendentes. Os bancários estão sendo obrigados a participar de grupos em aplicativos, onde a pressão e a cobrança por resultados extrapolam o ambiente laboral físico e atormentam virtualmente os funcionários. “Essa forma de cobrança é ilegal e caracteriza abuso e prática de assédio moral, pois o celular pessoal não pode jamais ser utilizado para fins coorporativos, além de ninguém ser obrigado a participar de grupos em aplicativos”, explicou Magali Pontes. Sobre o assunto, o superintendente regional afirmou que esse procedimento não é orientado pelo banco e que vai instruir os gestores a abolirem essa prática.

Em visita à base, além de todos os problemas denunciados pelos bancários, um dos motivos para a situação de caos na maioria das agências do interior é a falta de funcionários. Em muitas dessas agências como Araruna, Sumé, Barra de Santa Rosa e Alagoa Grande existem as vagas, mas não tem funcionário. A falta de funcionário desencadeia uma série de graves consequências que afeta tanto o bancário com o acúmulo de funções, como também o cliente, que enfrenta cada vez mais filas e a demora no atendimento. Mesmo diante desse cenário, o Banco não apresentou perspectiva de concurso público, que solucionaria esse cenário de caos. O último concurso feito pelo Banco foi em 2018, apenas nas regiões Sul e Sudeste.

“Vamos atualizar o relatório com as denúncias apresentadas e com os problemas identificados pela diretoria em visitas aos locais de trabalho, encaminhá-lo à Superintendência Regional e acompanhar as providências adotadas pelo Banco. Continuaremos firmes e atentos para cobrar o que for melhor para os nossos representados”, concluiu Marcelo Alves.

Fonte: Seeb – PB

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram