Bancá[email protected] e Fenaban negociam saúde e condições de trabalho

Debate será nesta terça-feira (11), a partir das 14h, em videoconferência
  • Cansaço e fadiga constante são resultado da cobrança excessiva pelo cumprimento de metas
  • Mais de um terço dos bancá[email protected] recorrem a antidepressivos, ansiolíticos ou estimulantes para se medicarem
  • Transtornos mentais e comportamentais foram a principal causa dos afastamentos na categoria

Nesta terça-feira (11), a partir das 14h, o Comando Nacional [email protected] Bancá[email protected] faz a terceira rodada de negociações da Campanha Nacional 2020 com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). O tema será Saúde e Condições de Trabalho. Condições de trabalho precárias, novas ferramentas de gestão, forte pressão para se atingir metas são parte de um cenário que se desenvolve nos últimos anos e que foi agravado pela pandemia do coronavírus.

A negociação desta terça-feira tem por base a minuta entregue pelo comando para a Fenaban, elaborada com base em consulta nacional feita este ano com quase 30 mil bancá[email protected] Mais da metade dos entrevistados (54,1%) respondeu que o cansaço e a fadiga constante são o resultado da cobrança excessiva pelo cumprimento de metas. A consulta permitia mais de uma resposta. A crise de ansiedade foi apontada por 51,6% como impacto na saúde.

Outros efeitos do trabalho exaustivo identificados na consulta foram dificuldade para dormir (39,3%); crise de ansiedade (51,6%); crises constantes de dor de cabeça (24,2%), e dores de estômago e gastrite (24,1%). Mais de um terço dos bancá[email protected] (35%) recorrem a antidepressivos, ansiolíticos ou estimulantes para se medicarem.

Adoecimento crescente

A reestruturação das atividades bancárias nas últimas décadas modificou o contexto de trabalho trazendo crescente adoecimento da categoria. Gerou mais pressão e levou muito trabalhadores do setor a se afastarem do trabalho.

Levantamento do Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas Socioeconômicas (Dieese) com dados da Previdência Social mostra que, de 2009 a 2013, houve um aumento de 40,4% do número total de auxílio-previdenciário e de auxílio-acidentário concedidos aos trabalhadores do setor bancário. Nos demais setores da economia também houve elevação do número de benefícios no período, porém, num ritmo menor do que o verificado nos bancos. Nesses setores, o crescimento foi de 26,2%.

Quando o tema é o dano à saúde, o destaque vai para o aumento das doenças relacionadas ao trabalho como os transtornos mentais. De 2014 a 2018, os transtornos mentais e comportamentais foram a principal causa dos afastamentos, com participação crescente, em torno de 28%.

Pandemia

Em 2020, o Comando Nacional [email protected] Bancá[email protected] negociou com a Fenaban e conquistou medidas para prevenção da saúde da categoria logo no início da pandemia. Ao longo da quarentena, cerca de 300 mil bancá[email protected] foram liberados para trabalhar em casa em mudança nos salários. O Comando Nacional [email protected] Bancá[email protected] vai cobrar a continuidade da política que cobrou no início da pandemia, que os bancos passem a adotar uma política de teletrabalho para os bancá[email protected] que coabitam com pessoas do grupo de risco. “Já tivemos bancá[email protected] que tiveram problemas com seus familiares e que tinham de sair para trabalhar. Isso expõe a vida dos familiares a risco”, afirmou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), coordenadora do Comando.

São os maiores cuidados com as condições de trabalho e com o impacto na saúde da categoria são serão negociados nesta terça-feira (11) com a Fenaban. Acompanhe as negociações pelas nossas redes sociais.

twitter.com/Contraf_CUT
facebook.com/contrafcut/
instagram.com/contraf_cut/

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram