Bancários pressionam Fenaban com paralisação de agências na RMR

Mais 15 agências paralisaram parcialmente as atividades em Pernambuco para pressionar a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que realiza nesta sexta-feira (24) 10ª rodada de negociação com o Comando Nacional dos Bancários.

Nesta semana decisiva para a Campanha Nacional 2018, é o terceiro dia consecutivo que o Sindicato dos Bancários de Pernambuco interrompe as atividades de agências na Região Metropolitana do Recife das 10h ao meio-dia. Hoje, fecharam agências bancárias localizadas na Encruzilhada, Avenida Rosa e Silva, Espinheiro, Casa Amarela (Recife) e Porto de Galinhas (IPojuca).

“Para nós conseguirmos arrancar uma negociação decente, a correlação de força é altamente importante. Então, é necessário que a categoria esteja mobilizada e consciente. O Sindicato organiza o movimento dos trabalhadores, mas o sentimento de querer fazer a paralisação tem de ser dos trabalhadores”, afirma a secretária de Saúde do Sindicato e funcionária do Banco do Brasil, Andreza Camila. 

Um ato público na Caixa Econômica Federal da Encruzilhada marcou o dia de mobilização. Nesta agência, todos os empregados vestiram preto como forma de protesto e participaram da reunião proposta pela entidade. Esclarecimentos sobre os rumos da Campanha e as reivindicações da categoria foram apresentados também aos clientes. 

“Este governo golpista, apoiado por uma mídia também golpista, quer vender a ideia de que os funcionários dos bancos públicos têm privilégios. Mas, o que nós temos são direitos conquistados com muita luta e suor dos trabalhadores, que fazem greves históricas desde os anos 80. Esperamos decência na mesa de negociação, sem propostas obscenas de retirar direitos. E, queremos aumento real, porque todos os bancos do País obtiveram lucros exorbitantes”, destaca a secretária de Bancos Públicos, Cândida Fernandes.

A ação de retardo da abertura das agências ocorreu em unidades da Caixa e BB, assim como do Santander, Bradesco e Itaú. “No ano passado, os banqueiros lucraram mais de R$ 77 bilhões. Neste ano, já são R$ 20 bilhões a mais na projeção para fechar 2018. E no entanto demitiram mais de 40 mil bancários. Então, a Campanha Nacional dos Bancários é ima trincheira de luta para garantir o emprego e também dialogar com a sociedade sobre ser um banco uma concessão pública e por isso deve prestar um serviço acessível e de qualidade à população”, conclui o secretário de Bancos Privados do Sindicato, Expedito Solaney.

A categoria rejeitou a proposta de reposição da inflação mais 0,5% de ganho real apresentada pela Fenaban. Nesta sexta-feira (24), a pauta econômica volta a ser o centro das discussões na mesa de negociação entre o Comando Nacional e a Fenaban que acontece em São Paulo. 

"Não há justificativa plausível para que os banqueiros se neguem a pagar um reajuste real à categoria já que são o único setor a obter vultosos lucros, mesmo com o País em crise. As paralisações que ocorreram nesta semana no Brasil inteiro demonstra nossa força e disposição para uma greve, se a Fenaban se mantiver intransigente  na mesa de negociação", afirma a presidenta do Sindicato, Suzineide Rodrigues.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram